Rabo de junco Phaethon aethereus

Raramente avistada a partir de terra, localmente pode ser encontrada junto à costa em ilhas rochosas inacessíveis.

  • Estatuto de conservação
    Estatuto de conservação

    Pouco Preocupante

  • Habitat
    Habitat

    Marinho

  • Distribuição
    Distribuição

    Ilhas de Santo Antão, Santiago, Sal, Boavista, São Vicente, Fogo, Brava e ilhéus Raso e Rombo.

  • Tamanho
    Tamanho

    Comprimento 45-50 cm; Envergadura 100-115 cm

  • Peso
    Peso

    420-760 g

No mar, os indivíduos são de natureza gregária podendo viajar longas distâncias em busca de alimento, capturando por mergulho vertical pequenos peixes, especialmente peixes-voadores, mas também lulas. Em terra, durante a reprodução, podem ser vistos em casal junto às falésias emitindo com frequência um chamamento repetitivo rouco rápido e agudo. Esta espécie forma casais para a vida e só mudam de parceiro em caso da morte deste. Nidificam em vertentes rochosas de pouca acessibilidade, em fendas e buracos pré-existentes, que depois defendem vigorosamente. Ao contrário de outras espécies de aves marinhas, não formam colónias. Na realidade o que determina a escolha do ninho são as características geomorfológicas do local, a protecção aos elementos (sol, chuva) e a direcção predominante do vento. Tendo patas muito curtas e descentralizadas em relação ao corpo, os Rabo-de-junco são muito desajeitados em terra e por isso, preferem que os seus ninhos estejam directamente acessíveis em voo. Em Cabo Verde reproduzem-se durante todo o ano pondo um único ovo. Os imaturos têm um bico amarelo e uma cauda curta com pontas pretas.

Em termos de ameaça, adultos e crias são especialmente vulneráveis à predação de mamíferos como cães assilvestrados, gatos e ratos, bem como à perda e degradação de habitat promovidos pela pressão turística em algumas zonas de reprodução.

Curiosidade: a cauda do Rabo-de-junco equivale ao comprimento total do adulto (cerca de 45 cm).

O trabalho da Biosfera

Em parceria com a Universidade de Coimbra (MARE-UC), os trabalhos nesta espécie têm-se debruçado sobre a avaliação do tamanho populacional existente no Raso, de conhecer um pouco melhor a biologia reprodutora, ecologia alimentar, distribuição no mar com a ajuda de GPS e identificação das ameaças mais importantes. Estes trabalhos são levados a cabo no ilhéu Raso desde 2013.

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
pt_PTPortuguês
en_GBEnglish (UK) pt_PTPortuguês