Áreas Marinhas Protegidas

Áreas Marinhas Protegidas

A criação de áreas marinhas protegidas é um mecanismo de conservação onde as áreas com elevado valor ecológico são parciais ou totalmente protegidas.

Devido à exploração excessiva dos recursos marinhos a nível local, nacional e internacional, estas áreas protegidas são zonas essenciais para recuperar os stocks de biodiversidade e evitar o colapso ecológico, económico e social.
Cabo Verde tem 22 Áreas Marinhas Protegidas (AMP), mas a maioria delas ainda não tem Planos de Gestão e ainda menos tem planos aprovados e estão em fase de implementação.
A Biosfera está empenhada numa estratégia de co-gestão destas áreas, onde as comunidades que dependem dos seus recursos se tornam um elemento essencial e parte interessada na protecção das áreas protegidas.
Biosfera está actualmente a trabalhar na criação e gestão de três áreas protegidas:

  • Área Marinha Protegida da Comunidade de Calhau, ilha de São Vicente, 10,43 Km2

Iniciar a criação e assegurar a co-gestão da zona marinha protegida comunitária com e para a comunidade pesqueira.
Criar um negócio “New Blue” de ecoturismo para a observação da fauna subaquática.
Apresentação da área  Ver vídeo.

  • Área Marinha Protegida Oceânica, Banco João Valente, 30.000 Km2

O objetivo é assegurar a protecção de um grande corredor biológico (envolvendo diferentes habitats como Sea-Mounts, Planices abissais, Vertentes de Talude e Recifes oceânicos). Para este primeiro passo, estamos a liderar um inventário ecológico submarino, em colaboração com o Instituto do Mar, a Atlantic Technical Unversity, a University-Piaget do Mindelo e cientistas internacionais. O objectivo da expedição é avaliar o ecossistema subaquático inexplorado do recife, a fim de compreender se tem atributos suficientes para fazer parte da maior área marinha protegida a ser proposta em Cabo Verde. Foram utilizadas várias técnicas de avaliação: transectos de mergulho, recolha de organismos, recolha de água, recolha de sedimentos, câmaras de vídeo fixas, dispositivo oceanográfico (um drone não tripulado), do Instituto GEOMAR na Alemanha. Todos os dados estão actualmente a ser analisados.

  • Área Marinha Protegida de Cruzinha, ilha de Santo Antão, 125 Km2

Esta AMP é oficial, mas sem um plano de gestão. Biosfera está a apoiar a consulta às comunidades piscatórias para propor um plano de gestão comunitária ao governo (um processo semelhante foi levado a cabo para a MPA de Calhau). Uma componente importante deste plano é integrar a comunidade em novas formas de rendimento sustentável, como o ecoturismo e a valorização dos produtos da pesca artesanal).