Viola barba-negra Glaucostegus cemiculus

O Viola barba-negra é um dos peixes marinhos mais ameaçados a nível mundial. A informação disponível indica declínios em grande parte do seu alcance, incluindo nas ilhas de Cabo Verde. Segundo informações recentes, podemos confirmar a sua presença em 4 ilhas, sendo elas Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia e São Nicolau.

  • Estatuto de conservação
    Estatuto de conservação

    Criticamente e Perigo (CR)

  • Habitat
    Habitat

    Marinho costeiro

  • Distribuição
    Distribuição

    Oeste de África, Mediterrâneo e Oeste de Portugal

  • Tamanho
    Tamanho

    265 cm máximo

  • Peso
    Peso

    Adulto ~ 35Kg

Endemismo
Não. Possui elevada distribuição, habitando zonas costeiras do Oeste da Africa e nas costas de todo o mar Mediterrânio e oeste de Portugal.

Morfologia
Atinge o máximo de 265 cm de comprimento total, possui barbatanas peitorais em forma de asa e corpo semelhante a um tubarão, a superfície dorsal é marrom com uma parte inferior branca e geralmente uma macha preta no focinho, especialmente nos juvenis.

Ciclo de vida e Maturidade Sexual
Habita águas costeiras de baías e estuários com fundos arenosos e lamacentos à volta dos 100 metros de profundidade e alimenta-se de peixes bentónicos e crustáceos. A sua idade máxima registada até hoje é de 14 anos.

Reprodução
A maturidade sexual das fêmeas é atingida aos 5 anos, enquanto os machos a partir dos 3 anos de idade. São ovovivíparos, produzindo ninhadas geralmente de 6 a 7 crias.

Ameaças
Pertence a uma das quatro famílias de tubarões e raias consideradas mais ameaçadas de extinção, causada exclusivamente pela pesca excessiva. As suas barbatanas têm alto valor e são exportadas para a Ásia, aumentando a sua captura a nível mundial. É também alvo de pesca desportiva por pescadores desportivos em surfcasting. Sendo sua gestão escassa, o seu comércio é legal a menos que seja dentro das áreas marinhas protegidas. Segundo relatos de muitos pescadores, essa espécie existiu em Cabo Verde. Porém somente foi registada em Cabo Verde pelo mundo científico em 2017, momento oportuno e delicado para aqueles que querem conhecer e conservar a nossa biodiversidade, isso porque a espécie já se encontrava em perigo crítico de extinção. A Reserva Marinha de Santa Luzia poderia, portanto, ser um refúgio de importância global para esta espécie que requer monitoramento científico urgente e medidas de proteção. Segundo a União Internacional da Conservação da Natureza (IUCN) a população do viola barba-negra sofreu uma diminuição de mais de 80 por cento nas últimas três gerações, e prevê-se uma diminuição em 50 por cento nas próximas três gerações se não for implementada qualquer outra gestão.

O trabalho da Biosfera

Os trabalhos de conservação desta espécie iniciaram em 2019, após ter sido descoberta na Reserva de Santa Luzia em 2017. Aquando da confirmação da sua presença, o Viola barba-negra já se encontrava em perigo de extinção.

O projeto de pesquisa e conservação dos tubarões e raias de Cabo Verde está voltada principalmente para a reserva de Santa Luzia e tem como um dos alvos principais, o Viola barba-negra. Com o objetivo de iniciar a pesquisa sobre a sua biologia e a sua preservação, desenvolveu-se um leque de técnicas de monitorização e atividades nas quais fazem parte a marcação passiva, marcação acústica e o uso de camaras subaquáticas (BRUV), bem como investigação para teses de mestrado de alunos internacionais e atividades de sensibilização em escolas e comunidades piscatórias.

Desde então conseguimos descobrir zonas chave de conservação ou o que podemos chamar de berçários. Estas zonas podem tornar-se áreas de importância global de proteção desta espécie. Através dos métodos de monitorização conseguimos marcar externamente cerca de 182 indivíduos onde foram coletadas informações biológicas de todos eles. Estes dados mostram ser valiosos no processo do desenvolvimento de ações de conservação, bem como ser usados na apresentação dos resultados aos parceiros e entidades do governo.