Tubarões e Raias

Com mais de 400 milhões de anos, os tubarões coexistiram com os dinossauros e como grupo sobreviveram à extinção em massa, diversificando-se em mais de 1000 espécies de tubarões e de raias conhecidas, com novas espécies descobertas todos os anos. Os tubarões e as raias fazem parte de um grupo chamado de elasmobrânquios, constituído pelos tubarões com aberturas branquiais nos lados da cabeça e as raias com aberturas branquiais debaixo da cabeça.

Os elasmobrânquios têm um papel essencial nos ecossistemas, mantendo saudável toda a cadeia alimentar por removerem os animais doentes/fracos. Servem assim de indicadores do estado de saúde dos nossos Oceanos. Como grupo, são de uma diversidade extraordinária, variando entre os 18 metros de tamanho e os 20 cm e habitando desde mares profundos e planícies abissais até zonas costeiras de baixa profundidade. Como predadores de topo nos ecossistemas, são animais versáteis e eficientes, alimentando-se tanto peixes como de tartarugas, focas, baleias e golfinhos. Os seus sistemas sensoriais são refinados para a detecção de presas. O olfato, é geralmente o primeiro sentido a alertar o tubarão sobre uma potencial presa, especialmente se está ferida. As espécies mais sensíveis conseguem detectar o equivalente a 1 gota de óleo de peixe numa piscina olímpica!

Infelizmente todas as populações de tubarões e raias estão em rápido declínio. São espécies sensíveis à acção humana porque crescem a um ritmo lento, demoram muitos anos a atingir a idade adulta e dão origem a poucas crias. Por este motivo são particularmente vulneráveis à sobreexploração pesqueira. Estima-se que o comércio de barbatana de tubarão mate 100 milhões de tubarões anualmente, incluíndo o emblemático tubarão-baleia. Nas águas nacionais existem várias espécies de tubarões, sendo Cabo Verde um local importante para o seu ciclo de vida. No nosso país a dinâmica desregulada da pesca de tubarão por parte de embarcações nacionais e estrangeiras, impôs a necessidade de se adotarem medidas de conservação, ficando proibida em Cabo Verde a pesca de 9 espécies de tubarão.

O trabalho da Biosfera

Vários parceiros nacionais e internacionais participam nos trabalhos da Biosfera com tubarões e raias para reunir informação essencial das espécies. Ao nível técnico, podemos destacar o apoio da Universidade de Dalhousie, do ShARCC, OTN e do GEOMAR. Em 2015 iniciámos os trabalhos na Reserva Marinha de Santa Luzia, focando principalmente o Tubarão-viola, Glaucostegus cemiculus, em “Perigo de Extinção” e o Tubarão doninha do Atlântico, Paragaleus pectoralis, com “Dados deficientes” segundo a Lista Vermelha do IUCN.

E este ano a Biosfera retomará as pesquisas, nos mesmos alvos, num projeto nomeado de “Reinforcement of the operating acoustic network system of Cabo Verde Elasmobranch Research and Conservation Project" (financiado pela Fundação WAITT).

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
pt_PTPortuguês
en_GBEnglish (UK) pt_PTPortuguês